quarta-feira, 8 de junho de 2011

Fumei a vida

Viajando pelo mundo através da imaginação, enfeitando praças e lares, colorindo meus dias como arco-íris, que faz  as pessoas pararem
para comtemplá-lo, de tão lindo!
 Criei formas, e com toda liberdade que tenho e sinto, deixei meu ambiente de maneira restrita e fechada   para  deletar e excluir tudo que pode me causar mal, sei que estou vulnerável e é inevitável partilhar da conspiração que segue no cotidiano estressado e desconfiado que existe hoje.
Ás vezes nos deparamos com situações que nos obriga a ficarmos presos em nossa própria casa, esquecemos que para ladrão não há barreiras e não adianta muros altos e fechaduras caras e maciças.
Escolhi seguir e traçar um caminho no qual eu sei que onde quer que eu vá  ou faça, sempre vai haver espinhos e muitos desafios, com o tempo nesta caminhada aprendi ter paciência e a enxergar que as regras existem, mas não há limites, porque muitas vezes agimos de acordo com o que é melhor para nós sem pensar nas    consequências,     sabemos que virá, mas não damos a importância adequada, devido ao instinto animal que cada ser possui, uns com mais ou menos intensidade.
Com a maturidade adquirida fumei a vida, fiz dela um vício no qual dediquei-me a ter prazer, buscando sempre a felicidade e as soluções,
ao invés de ficar chorando, esperando milagres, tudo bem que acredito na existência deles, mas prefiro optar em fazer a minha parte e tentar de todos os meios a realização dos meus sonhos e desejos.
Fumei a vida de tal maneira que sinto-me em delírio, é imensa a emoção de seguir rumo aos céus como a fumaça que sai com delicadeza e desaparece lentamente no espaço. Imagino a chegada nas nuvens, infiltrando-se e ocupando seu lugar, naquele mundo azul e branco e  que me passa a idéia de ser um ninho aconchegante de  algodão.
Em toda a trajetória desta  caminhada, vi que o mundo apesar de grande cabe em minhas mãos, consigo ir  em busca do que quero. Sei que muitos não tem  o domínio e a mesma visão. Fumei a vida, sou a dona deste mundo que me ama e recebe-me sempre com as honras de uma princesa. Um jardim  perfumado , na verdade, um paraíso  que  trouxe-me muita paz e entendimento.
 Muitas vezes  temos pressa de fazer e ver  as coisas acontecerem, momentos que nos obriga tomar decisões rápidas,  e isso interfere nos  nossos objetivos e vontades, porque o novo vai assustar sempre, e abrir mão  não significa covardia.
Vejo que o universo conspira para tudo dar certo, mas temos fases na vida que não conseguimos  optar  pela razão , e corremos o risco de tentar e viver, ou arrepender-se por não ter  tentado.
Em cada tragada, sentia a emoção de ver que  com  as  tristezas  insistindo em  bater em minha porta, não abalava a estrutura  e não mudava a rota.
Fumei a vida,  com a magia evaporando ,  sigo  com o aprendizado  indiscutivelmente, tudo tem seu tempo.

6 comentários:

  1. Ainda bem que o fumar está dentro de um contexto por demais saudável!
    Continue "fumante", pois será a melhor maneira de manter-se íntegra e saudável, frente a fumaça que às vezes a "fumaça" da vida produz.
    Abração!

    Venha conhecer um pouco de Curitiba no Cidadão!

    ResponderExcluir
  2. É mesmo por demais saudável,"cada tragada" = acordar, viver.
    Sou viciada nesta delícia de vida!

    ResponderExcluir
  3. Faço minhas as palavras do cidadão (sobre o fumar saudável). Bjks

    ResponderExcluir
  4. Ok e obrigada pela visita Cecilia.

    ResponderExcluir
  5. Que bom seria, se todos tragassem apenas as névoas mansas e calmas do sentimentos mais sublimes. A querida amiga nos dá aqui um belo exemplo do bem viver, com a competência poética de sempre. Parabéns, Ana, e um abraço com carinho.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Antenor, gosto de ver o mundo com os do amor. A vida é única, aprendi a dizer aos problemas que tenho cérebro. Abraços.

    ResponderExcluir