terça-feira, 13 de setembro de 2011

Voam sem asas


                 
 A felicidade existe, mas na maioria das vezes deixamos ela escorregar feito areia nos vãos dos dedos. Voam sem asas coisas boas e más, e estamos vulneráveis e livres, apesar dos direitos e deveres, há muitos valores que a sociedade coloca em primeiro plano, ainda somos donos de nossas escolhas, em algumas situações o mundo vira contra você e depois se vê obrigado a voltar atrás, porque nem tudo é regra, e existem inúmeros fatores que perdem o controle das mãos humanas. Exigir perfeição é algo fora do alcance, mas trabalhar para o bem de todos é um caminho árduo, mas gratificante.
É claro que seria bem melhor amar tudo e todos, mas há quem afirma que poderia não ter graça se fosse assim.  É impossível estar de acordo com tudo, mas é possível conviver em paz com as diferenças. Não é mais fácil, porque temos orgulho e muitas vezes não valorizamos as coisas e pessoas que estão por perto sempre.
Voam sem asas o amor e ódio, e o universo traz e mostra que ser livre só não basta, a inteligência para definir bem seu próprio caminho é fundamental.
O medo de abraçar e acolher a semente do bem faz defasar a colheita. Para muitos é mais fácil acomodar-se e resmungar a vida toda, do que encarar e tentar.
Sei que é fácil pedir coragem aos outros, eu não peço, e nem digo que temer é errado. Acredito que o certo é dosar os sentimentos, e adquirir equilíbrio.
Vale a pena se esforçar e tornar seu sonho realidade, mais do que querer, tem que lutar, e não desanimar na primeira queda.
Tudo serve de aprendizado, o que não deve ocorrer é perder as oportunidades, o ânimo, e a vontade de chegar, mesmo que não seja ou aconteça exatamente do jeito que planejou, e o que importa é sentir-se feliz e satisfeito.
Na maioria dos casos, as pessoas se decepcionam com o rumo que suas vidas tomaram, e nem sempre admitem e aceitam um recomeço. Não entendem que temos o direito de mudar de opinião e a rota. 
Voam sem asas, a natureza, os homens, todo o planeta, misturados filhos e agregados em busca do mesmo objetivo. A realização de seus anseios, cada um com sua particularidade.
Seguem sua viagem, voando sem asas e sem data marcada, em uma velocidade não controlada, porque cada piloto conduz sua nave. Dentro de o tempo não determinado.
É evidente, o percurso é o mesmo, os sonhos e desejos são incontáveis, mas cada um é responsável pelo que quer e o que almeja.
Voam sem asas, uns inocentes, outros com muita cede, e o mais importante, dentro do contexto todos vão conquistando seus méritos.

Um comentário:

  1. Li o seu artigo na Folha hoje, terça. Muito bom, parabéns Poetisa dos sonhos...meus.

    ResponderExcluir